Estudo inédito analisa setor de moda em Santa Catarina e aponta cenários futuros

Seamstress Teaching her Assistant how to Use the Sewing Machine
Seamstress Teaching her Assistant how to Use the Sewing Machine

Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae traça panorama abrangente do segmento de confecção

O setor de moda movimenta grandes cifras em todo o mundo. O mercado global alcançou o valor de US$ 1,7 trilhão em 2017 e deve apresentar mais 2% de crescimento até 2022. No Brasil, o ramo têxtil e de confecção faturou US$ 51,58 bilhões no mesmo ano. O setor também é um dos mais representativos de Santa Catarina, sendo responsável por 18,5% dos estabelecimentos industriais. Por isso, o SIS/Sebrae elaborou um estudo inédito que aborda com profundidade a indústria têxti e o segmento de confecção no Estado. O material oferece um panorama abrangente do segmento, analisando como ele contribui para o crescimento da economia catarinense. O principal diferencial é a investigação de cenários futuros, o que possibilita o desenvolvimento de um planejamento estratégico diante dos desafios que estão por vir.

De acordo com a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o Brasil possui a maior cadeia têxtil completa do Ocidente. Ela abrange desde a produção da matéria-prima, sua transformação em tecido, a confecção de vestuário, acessórios e outros itens até a comercialização para o consumidor final.

Cenário catarinense

O segmento de vestuário é bastante representativo no estado, respondendo por 18,8% dos empreendimentos industriais e por 21,8% dos empregos na indústria. A produção neste segmento cresceu 6,1% em 2018, sendo um dos responsáveis por puxar a economia do estado. Além disso, Santa Catarina é hoje o segundo maior polo têxtil e de confecção do país – com 13,83% das empresas – atrás de São Paulo.

Em relação às vendas industriais, segundo relatório da Fiesc, das 13 atividades que experimentaram crescimento de outubro de 2017 a outubro de 2018, a área de vestuário e acessórios teve o terceiro melhor desempenho (20,9%), atrás apenas de produtos alimentícios (34,9%) e produtos de metal (25,5%).

De acordo com os dados mais recentes, Santa Catarina concentrava 7.411 empresas de vestuário e acessórios em 2017 – a maioria localizada na região do Vale do Itajaí. A maior parte dos empreendimentos é formada por micro e pequenas empresas (somando 88,4% dos estabelecimentos).

As preferências do consumidor e a sustentabilidade

O consumidor de moda exerce grande influência sobre o processo de confecção de vestuário. Afinal, é com base nas preferências e escolhas dele que o mercado de moda pauta suas coleções. Estudar o comportamento e conhecer o estilo de vida de seu público-alvo, portanto, é fundamental para as empresas que pretendem crescer e vender cada vez mais no acirrado mercado, disputado entre marcas globais, nacionais e locais.

A consultoria McKinsey prevê que uma das maiores tendências para o futuro próximo será  a preocupação com a sustentabilidade. Essa questão surgiu em decorrência da vontade dos consumidores em conhecer a origem dos produtos e da crescente conscientização das empresas em zelar por sua reputação.

Exportação e importação de vestuário em Santa Catarina

O estado catarinense tem uma importante parceira internacional: a China, maior exportador de vestuário no mundo. Somente em 2018, foram importados US$ 405,843 milhões desse país – 76% a mais do que o valor importado de Bangladesh, o segundo colocado.

Por sua vez, o mercado latino-americano é fundamental para as exportações catarinenses, correspondendo a 84,5% do total, de acordo com a Fiesc. Os Estados Unidos (9,2% das vendas externas) e o Japão (crescimento de 734,1% entre 2016-2017), são outros importantes parceiros comerciais.

Cenários futuros

O estudo analisou três cenários prováveis para o segmento de confecção até 2021: realista, otimista e pessimista. De forma geral, em todos os três a perspectiva é de retomada. O cenário realista aponta que questões relacionadas à legislação e carga tributária ficarão estagnadas, embora o mercado interno e o comportamento do consumidor apresentem reaquecimento. Como resultado, o segmento de confecção voltará a crescer, ainda que com poucos incentivos por parte do governo

O cenário otimista conta com o aumento da demanda de vestuário e melhores condições para produção. Nessa conjectura, espera-se que os aspectos regulatórios e tributários estejam a favor do empresariado brasileiro, tornando o produto nacional altamente competitivo tanto internamente quanto no mercado externo. Já no cenário pessimista, a situação político-econômica seria desfavorável, o que faria com que as legislações aplicadas ao setor não avançassem.

Mais informações

Quer acompanhar as principais movimentações do mercado sobre Moda? Estar por dentro dos eventos do setor e principais tendências? Acesse o portal de Sistema de Inteligência Setorial do Sebrae.

Cadastre-se no SIS/Sebrae para receber mensalmente relatórios de inteligência, casos de sucesso, cenários e projeções, infográficos e análises diagnósticas que o ajudarão na orientação do seu negócio.

*Texto desenvolvido pelo jornalista Gabriel Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *