Como começar a vender online?

Em meio a pandemia provocada pelo coronavírus Covid-19, o processo de digitalização de negócios acelera em ritmo jamais visto no Brasil. Negócios físicos não essenciais fecharam as portas e as vendas despencaram. Na contra-mão, o comércio eletrônico segue em franca expansão.

Números auditados pela Ebit revelam que apenas entre 1º de janeiro e 30 de abril deste ano já foram movimentados R$ 22,9 bilhões em pedidos online.

Apenas para fins de análise, o comércio eletrônico teve aumento de 16,3% no faturamento em 2019. Qual outro setor da economia brasileira tem crescimento neste sentido?

Diante destes números, é muito comum que empreendedores de todo o país estejam se questionando sobre como aumentar as vendas online.

Aqui é importante reforçar que em qualquer negócio, você precisa fazer análises, um planejamento de negócio, avaliar os investimentos necessários, estudar os concorrentes e também o que pretende ofertar para que a implementação de uma loja virtual não vire frustração em curto prazo.

Este processo inicial pode ser melhor mapeado com o nosso curso sobre plano de negócios oferecido aqui pelo Sebrae. Inclusive, para quem está em casa durante a quarentena e tem tempo disponível, o nosso site conta com várias opções de treinamento. Confira aqui!

Estudo da concorrência

O universo online é um território muito promissor para diversos segmentos, tais como venda de comida, roupas, máquinas industriais, produtos agrícolas, eletrônicos e diversos serviços, por exemplo. Porém, isso não quer dizer que basta criar uma loja, tirar boas fotos e deixar no ar para receber os pedidos automaticamente.

Existem lições de casa que devem ser realizadas:

  • Encontrar bons fornecedores;
  • Avaliar os preços praticados pela concorrência;
  • Avaliar os custos técnicos e de envio de mercadorias;
  • Avaliar os custos trabalhistas;
  • Estudar sobre canais de divulgação.

Perceba que algumas destas etapas são as mesmas que você vai percorrer para o ambiente físico.

Da mesma forma, você precisará ter um sistema de ERP, uma ferramenta de controle de clientes e de entregas, treinar algumas pessoas para fazer o atendimento ao cliente, pagamentos, recebimentos e contato com os fornecedores.

Lógico, em uma operação pequena, duas ou três pessoas dão conta de tocar todas estas etapas, mas quando o negócio cresce, é importante ter essa estrutura organizacional bem definida para evitar acúmulo de cargos e funções.

Alguns cuidados técnicos básicos

Se você pesquisar agora no Google por como criar uma loja virtual, diversas soluções estarão disponíveis no Brasil e no exterior, com estruturas prontas ou personalizadas e planos para todos os bolsos.

Essa é uma etapa importante e exige cuidado, não contrate o primeiro plano que vir pela frente.

Entre em fóruns, fale com amigos e também pesquise as plataformas usadas pelos seus concorrentes. Algumas soluções não contam com coisas simples como atendimento via WhatsApp ou tem falhas de otimização orgânica, limitação de tráfego ou produtos, opções que vão prejudicar o crescimento da sua loja virtual.

Veja aqui na trilha de aprendizado do Sebrae algumas dicas sobre como preço e o atendimento podem ser boas ferramentas de venda.

A venda online exige alguns acompanhamentos antes e após a compra que podem não ser necessárias em uma loja física. Por isso, veja também:

Qual será o meio de pagamento que você vai usar?

Qual é o prazo e taxas cobradas pela opção de pagamento?

O público conhece essa solução de pagamento? Neste ponto, é importante usar opções que transmitam segurança para não perder vendas.

Vai usar Correios ou outra transportadora para envio de mercadorias?

A plataforma de ecommerce tem integração com a transportadora?

Existem soluções avançadas para o cliente monitorar a entrega?

Aqui você aprende como criar um site de vendas e todas as etapas iniciais.

Uma das grandes vantagens do iFood foi apresentar o rastreio via GPS do pedido de comida, o que fortaleceu a confiança do consumidor. Coisas simples podem ser grandes diferenciais!

Personalização das campanhas de divulgação

Foi se o tempo em que fazer marketing era apenas aprovar uma única campanha e usá-la em todos os públicos. A internet te permite ser muito mais assertivo e econômico se fizer a segmentação correta.

Para isso, estude suas personas e quais são os diferenciais que elas valorizam. Esse material do Sebrae MG pode ser bem útil para te ajudar a encontrar algumas respostas.

Nesta etapa você vai entender qual é a faixa etária, qual é o sexo, qual é a renda média, quais são os interesses principais, quais são os desejos e medos de cada público-alvo que se pretende atingir.

O estudo do perfil de clientes permitirá você fazer ações mais certeiras.

Por exemplo, se você vende comida para homens entre 20 e 30 anos, residentes nas grandes capitais, com renda de até dois salários mínimos, sem graduação e que não têm veículo próprio, logo saberá que fazer uma boa ação aos finais de semanas pode ser bem efetiva, já que a tendência é que eles estejam em casa neste período.

Da mesma forma, divulgar pratos caros, muito elaborados e com elementos da culinária não tradicional pode gerar uma grande frustração, já que boa parte deste público-alvo optar por coisas mais básicas.

Outro exemplo, para esse mesmo público-alvo, se você souber os gostos de bebidas, poderá então fazer operações promocionais casadas em que a compra de um prato X dá direito a uma cerveja preferida de brinde.

Se você tem intenção de entrar no mercado de delivery de alimentos, veja aqui esse estudo feito pelo Sebrae sobre os potenciais deste setor.

Fazer a pesquisa de público vai te ajudar a derrubar preconceitos e achismos e ter operações mais efetivas.

Como se comunicar com seus futuros clientes?

Depois de estudar quem é o seu consumidor alvo, saber os diferenciais dos seus concorrentes, estruturar seus preços e produtos, é hora então de despertar o interesse das pessoas.

Se o seu produto tem como alvo o público feminino, explore elementos que sejam úteis para as mulheres. Novamente, cuidado com achismos e julgamentos. Não é toda mulher que sonha em ser mãe, gosta de rosa ou odeia bebidas alcóolicas.

A melhor maneira de acertar a linguagem e a abordagem é fazer a aplicação de um teste A/B constante para ajustar suas campanhas publicitárias de acordo com aquilo que é mais efetivo.

Por exemplo, ao iniciar uma venda de sapatos, coloque o mesmo produto no Instagram e no Facebook, avalie o desempenho em cliques, custo da mídia e a quantidade de pedidos realizados. Em qual dos canais o retorno financeiro foi mais positivo?

Depois disso, isole os canais e teste produtos diferentes dentro de cada rede.

Seu público-alvo está nestas redes sociais? Se não tiver, fuja delas e economize tempo e dinheiro.

Monitore sempre os indicadores da sua loja virtual para conseguir elevar o seu ticket médio e reduzir os gastos com publicidade

Quais indicadores usar? Leia aqui uma série de metas que podem ser criadas e medidas para sua empresa ter sucesso nas vendas online.

Conheça o GIR: programa de gestão de indicadores e resultados do Sebrae! 

 

Este é um texto colaborativo, escrito pelo jornalista Mayk Souza.

2 comentários em “Como começar a vender online?

    • Leandro Kalbusch Responder

      Olá, Neíse!

      Sim, temos o curso online “OKR: Tome as melhores decisões para impulsionar o crescimento”, que pode ser acessado clicando neste link.

      E já que estamos falando de OKR, também compartilhamos contigo este artigo que fala sobre a implantação da metodologia.

      Um abraço,
      Leandro – Sebrae/SC
      leandro.kalbusch@sc.sebrae.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *