Condomínios inteligentes levam tecnologia aos empreendimentos prediais

istanbul, turkey - May 14, 2014: Skyscrapers and gated communities are located at anatolian side town atasehir of istanbul turkey

Relatório do SIS/Sebrae mostra como condomínios inteligentes facilitam gestão e vida dos moradores

O crescimento dos centros urbanos tem levado à construção de condomínios cada vez maiores e mais complexos. No Brasil, são mais de dois milhões deles com diferentes portes, dentre os quais 117 mil estão em Santa Catarina, o equivalente a 6% do total no país. Tamanha demanda coloca desafios para a gestão desses empreendimentos. Por isso, muitos são idealizados desde o planejamento como condomínios inteligentes, adotando recursos tecnológicos que facilitam a vida dos moradores e a administração condominial.

Confira abaixo conceitos, tecnologias e funcionalidades que cada vez mais estarão presentes nos condomínios inteligentes.

O que são condomínios inteligentes

A Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial estima que até 2020 o volume de dispositivos inteligentes em condomínios deve dobrar, abrindo um leque de oportunidades para empresas com foco em tecnologias residenciais e condominiais. Mas, a implementação de ferramentas por si só não transforma um condomínio comum em inteligente.

Para ser um condomínio inteligente, deve haver integração de tecnologias e recursos desde o planejamento do empreendimento. A proposta é que esses locais sejam minuciosamente elaborados para que os serviços oferecidos sejam integrados e controlados por meio de softwares e/ou aplicativos. A partir de internet estável e de alta qualidade, a ideia é que alguns recursos possam ser administrados remota ou automaticamente, sempre com base em uso consciente e sustentabilidade.

Ferramentas que podem ser exploradas

As funcionalidades escolhidas dependerão do tamanho do imóvel, do público-alvo, dos custos e preferências dos moradores. Dentre as que já são utilizadas, destacam-se:

  • Internet das Coisas (IoT, do inglês Internet of Things): realiza a conexão entre dispositivos eletrônicos via internet. Pode ser usada, por exemplo, em telhados, caixas d’água ou ar-condicionado, indicando quando precisam de manutenção.

  • Aplicativos mobile e sistemas online: ajudam na troca de informações entre moradores, funcionários e administradores do condomínio, facilitando agendamento para o uso de áreas de lazer, marcação de reuniões, solicitar ou compartilhar informações, entre outras funções.

  • Identificação por biometria: dispensa o uso de chaves para acesso ao condomínio, apartamento ou escritório, levando mais praticidade e controle sobre quem entra ou sai do local.

O cenário onde os condomínios inteligentes se desenvolvem é de crescimento e múltiplos aplicativos e funcionalidades. Acesse o relatório “Condomínios inteligentes: mais tecnologia, menos burocracia” e obtenha mais informações de mercado para desenvolver os seus negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *