Culinária étnica e regional: oportunidades culturais e de negócios

culinária étnica

Além de uma necessidade, a alimentação cada vez mais é entendida como uma experiência cultural, já que as diferentes sociedades manifestam traços de seus costumes e da interação com o ambiente através da gastronomia. É justamente por isso que a culinária étnica e regional apresenta, além da chance de descobrir de novos pratos, a possibilidade de empreender com sucesso.

Entre outros fatores, países e regiões têm sua identidade construída a partir dos alimentos e bebidas elaboradas ao longo do tempo. Esses elementos estão vinculados à tradição e aos símbolos erguidos por um povo. Para além de questões antropológicas e históricas, a culinária étnica e regional vem ganhando impulso com a globalização e a maior mobilidade de pessoas ao redor do mundo, constituindo uma significativa oportunidade de empreender.

Intercâmbio gastronômico ajuda a desenvolver mercado

Marcado pela ampla diversidade cultural e regional, o Brasil é um belo caso do desenvolvimento do intercâmbio gastronômico. A vontade de experimentar os diferentes sabores produzidos em solo nacional levou, em 2018, mais de 80 milhões de pessoas ao mês a movimentarem o segmento de foodservice, que faturou cerca de R$ 60 milhões no mesmo ano, de acordo com dados do Instituto de Foodservice Brasil (IFB).

Os dados mostram que mesmo diante de um cenário de crise econômica, a alimentação fora do lar é um mercado interessante para os empreendedores que querem apostar em novos sabores e texturas. A revista Forbes elencou a gastronomia étnica e regional como uma das 20 tendências da busca por produtos artesanais e saudáveis, que também é crescente.

Brasil acompanha tendência na oferta da culinária étnica e regional

No Brasil, são observadas tendências globais na culinária cosmopolita, com diversos restaurantes atentos à demanda por alimentos e bebidas típicas de determinada cultura. Entre eles, destacam-se:

  • Cozinha oriental – São mais populares as culinárias japonesa, chinesa e tailandesa, muito baseadas em frutos do mar. Por isso, são negócios que demandam cuidados com a procedência dos alimentos frescos, higiene e armazenamento.
  • Cozinha árabe – Com pratos coloridos e temperos únicos, é uma gastronomia que traz como diferencial o investimento em materiais regionais para produção dos pratos, com panelas e utensílios diferentes dos utilizados na culinária brasileira.
  • Cozinha mexicana – Comidas apimentadas são típicas da culinária mexicana. Para os empreendedores, é importante atentar à criação de um ambiente temático compatível com a expectativa do consumidor por uma experiência mexicana. Franquias e food trucks são alternativas de mercado.

Também estão conquistando espaço no mercado os sabores e temperos africanos, filipinos, persas, gregos, além de cafés da manhã de diferentes regiões do planeta. Em Santa Catarina, onde a formação cultural conta com pelo menos 50 etnias diferentes, a culinária regional é elaborada a partir de influências indígenas, africanas e europeia, abrindo um leque de oportunidades para a empreender.

Quer conhecer mais detalhes e estratégias para investir no mercado gastronômico catarinense e na culinária étnica e regional? Baixe agora o relatório Culinária Étnica e Regional, desenvolvido pelo Sistema de Inteligência do Sebrae/SC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *